ARCA UNIVERSAL – Não se deixe aprisionar pela soberba

logo_arca.gif
 

Não se deixe aprisionar pela soberba

 

Cuidado para não se tornar vítima do próprio orgulho

 

25 de outubro de 2013

 

imagem_soberba.jpg

 

Olhar por cima do ombro, empinar o nariz, cruzar os braços e fingir que está ouvindo. A altivez e a arrogância de uma pessoa com essas atitudes não devem ser confundidas com brio e dignidade. Pelo contrário, segundo a psicóloga e consultora organizacionalMeiry Kamia, uma pessoa que demonstra um sentimento de superioridade sobre os outros é soberba.

 

O soberbo gosta de vangloriar-se com as conquistas, porém, para as derrotas sempre aponta um culpado. A altivez das suas atitudes, que pressupõe segurança no que faz, é na verdade um mecanismo de defesa que apenas confirma o quanto é inseguro em relação às suas tomadas de decisão. Para a psicóloga, a soberba é uma máscara da baixa autoestima. A pessoa precisa compensar a falta de segurança em si, se autoafirmar o tempo todo, até mesmo destratar e desprezar o outro.

 

 

“É como se a pessoa tivesse que lembrar a si mesma o quanto ela é importante e especial. Esse funcionamento psicológico tem início, muitas vezes, na infância, com alguma experiência negativa e traumática, em que se sentiu menos importante. Para não ter que sentir essa sensação de rejeição novamente, ela valoriza a si mesma. Como num ciclo vicioso, para se defender da sensação de insegurança, ela precisa depreciar o outro, para mostrar a si mesma que, de alguma forma, que é especial”, constata Meiry.

 

Agindo dessa maneira, como se fosse o centro do universo, e acreditando que suas opiniões são mais importantes do que as das outras pessoas, o soberbo corre o risco de não enxergar o óbvio, não aceitar ajuda, não agir mais naturalmente e desgastar suas relações de amizade, profissionais e familiares. Essas atitudes o prejudicam, na medida em que não o permitem viver bem e feliz.

 

 

“Na verdade, a soberba é uma prisão psicológica em que se gasta muita energia para manter a ilusão de perfeição para si e para os outros. Pessoas soberbas normalmente são exigentes demais consigo mesmas e, consequentemente, com os outros. Não perdoam as falhas. Então, conviver com elas é cansativo e chato. O soberbo é incapaz de elogiar, pois, reconhecer o talento do outro significa uma ameaça para si mesmo, pelo medo de não ser suficientemente bom”, aponta Meiry.

 

 

Amigo do soberbo

 

Se a necessidade de estar com a razão é o que mais prejudica o soberbo, por outro lado também é muito difícil ser amigo, familiar ou colega de trabalho dele e lidar com uma pessoa que acha que somente as suas ideias são boas. De acordo com a psicóloga, é preciso separar o que é um problema só do soberbo, pois quando ele atinge ou magoa alguém, não é porque tem problemas específicos com aquela pessoa, mas porque trata todos do mesmo jeito.

 

 

Você deve aceitá-lo como ele é e incentivá-lo a querer mudar. Só ele poderá realizar a própria transformação. “As pessoas só mudam quando elas mesmas decidem, e é preciso que tenhamos paciência para respeitar o tempo de cada pessoa. Inteligente é a pessoa que consegue compreender como cada ser humano funciona e aprende a lidar com cada um delas, da forma como cada pessoa se apresenta, com todas as suas qualidades e deficiências”, afirma a psicóloga.

 

A melhor maneira de ajudar, é mostrar que você não está ali para competir com o soberbo, mas para fazer o melhor que puder por ele, pela família, pela manutenção da amizade ou pelo trabalho na empresa. Isso, de forma objetiva, sem sentimento de superioridade ou inferioridade, ou como uma corrida para ver quem chega mais rápido ou com mais status ao pódio.

 

 

“Com o tempo, a pessoa perceberá que você é alguém confiável, que não está lá para desmascarar a fraqueza dela. Essa confiança, desenvolvida por sua paciência e compreensão, poderá ajudar essa pessoa a não mais competir com você, e sim se relacionar com você.”

 

 

Não caia na armadilha

 

Mas cuidado para você mesmo que está tentando ajudar o seu amigo ou parente não cair na armadilha do orgulho exacerbado. Ainda segundo Meiry, a tendência natural das pessoas é julgar e querer mudar as outras pessoas. Entretanto, isso também não deixa de ser um tipo de soberba. “Ocorre quando nós achamos que somos melhores que os outros, e que se alguém tem que mudar, esse alguém é o outro. Todavia, tomamos o lugar do soberbo a partir do momento em que julgamos que quem é o problemático é o outro. É preciso muito cuidado para não sermos vítimas do nosso próprio orgulho.”

 

Disponível em: http://www.arcauniversal.com/noticias/emfoco/noticias/nao-se-deixe-aprisionarpelasoberba-20520.html

 

 

VEJA TAMBÉM