Assédio sexual, como agir?

Man touches annoyed co-worker

Meiry, estou com uma questão delicada e gostaria de sua opinião. Trabalho numa empresa de comunicação e tenho um chefe muito ‘saidinho’. Vira e mexe ele me chama na sala dele e fica fazendo comentários que não gosto muito, e muitas vezes utilizando termos chulos, o que me deixa muito chateada. Mas ele nunca faz isso perto de outras pessoas. Só faz quando me chama na sala dele,  e também não é sempre que isso acontece, às vezes, realmente é para tratarmos de relatórios ou coisas do trabalho mesmo. Então eu nunca sei quando ele vai fazer as ‘gracinhas’ dele, mas isso me incomoda muito. Não sei como devo agir. Você poderia me dar algum conselho? (MIRIAM)

Resposta: Querida Miriam, o assédio moral ou sexual é caracterizado pela “exposição do trabalhador a situações humilhantes e constrangedoras, de forma repetitiva e prolongada, durante a jornada de trabalho”. Acredito que isso se encaixe na descrição que você fez. O grande problema do assédio moral ou sexual são as consequências psicológicas advindas desse tipo de agressão. Muitas pessoas que sofrem de assédio moral e sexual temem tocar no assunto por ser algo delicado, feito às escondidas como você mesma coloca, e te pegam desprevenida. Os casos de assédio moral e sexual, para serem reconhecidos como tal precisam de testemunhas, de provas palpáveis, para que não fique a ‘sua palavra contra a dele’, entende? Então, a melhor forma é você se prevenir dos ataques. Em primeiro lugar, diga claramente ao seu chefe que você não gosta de comentários desse tipo e que eles fogem completamente à ética do trabalho. Avise-o de que ele corre o risco de ser processado por assédio sexual. Caso aconteça novamente, recuse-se a entrar sozinha na sala dele ou o faça apenas na presença de outras pessoas. Comunique um superior e peça ajuda. Assim, você tem a força da empresa atuando junto a você.

MEIRY KAMIA

TAMBÉM TEM DÚVIDAS? Envie sua pergunta ao Canal Interativo, clique aqui.

CurtirFANPAGE_MeiryKamia