Midia News – Sete passos para fugir da zona de conforto

Sete passos para fugir da zona de conforto

Deixar vida no piloto-automático não é sinônimo de segurança. Desafiar-se diariamente pode revelar o verdadeiro potencial de cada um. Especialistas ensinam como fazer isso.

Saia do sofá: ter uma vida ativa e espontânea pode ser o remédio para fugir do comodismo

Estar na zona de conforto pode ser atraente pelo nome. Mas tal status pode gerar a angústia de uma vida improdutiva e desgaste nos campos profissionais e pessoais do acomodado. A ideia de dedicar um tempo para viver em segurança e sem grandes emoções parece inofensivo, mas colocar a vida no piloto-automático pode ser perigoso a longo prazo.

Sensação de que a vida está paralisada, monótona e com momentos de angústia são os principais sintomas dos acomodados. Segundo a psicóloga e palestrante Meiry Kamia, pesquisas mostram que vencer um desafio traz realização e deixar de superá-los pode afastar a felicidade.

“Muitos acham que vivem um período de segurança e que estão isentos da realidade e possíveis frustrações, mas é uma ilusão”, diz ela.

Ter uma vida ativa e espontânea pode ser o remédio para fugir do comodismo. O segredo, garante a coach comportamental Fabiana Koch, é encontrar o equilíbrio entre a rotina e espontaneidade.

“Nosso cérebro quer segurança e, por isso, entramos na rotina. Mas precisamos inserir coisas diferentes na nossa vida”.

Leia a seguir as dicas de especialistas para sair do piloto-automático:

1. Reconhecer que está na zona de conforto

Você se identificou com o que foi descrito na reportagem? Busque fugir do período de improdutividade. Muitos pensam que o comodismo evita novos medos e frustrações. No entanto, o melhor caminho para se proteger é restaurar a autoestima e autoconfiança. Em casos mais extremos, quando há indícios de depressão, o melhor é buscar ajuda profissional.

“Sair da zona de conforto implica conhecer a própria potencialidade. E abandonar a rotina: como, bebo e durmo, logo existo”, garante o analista comportamental Getúlio Chaves.

2. Elimine a procrastinação

Após assumir o problema, trate de eliminar pensamentos que justifiquem a procrastinação, como “Estou muito cansada”, “Faço amanhã, hoje estou com sono” e “Não vou dar o meu melhor porque mereço descansar”. Meiry Kamia explica que é comum buscar justificativas racionais para explicar o medo. “É triste perceber que a pessoa apenas trabalha para pagar as contas. Você pode e deve fazer mais”, orienta a psicóloga.

3. Use o passado ao seu favor

O passado pode ser uma grande referência na hora de provocar mudanças de comportamento. Relembrar momentos em que teve “frio na barriga”, pode ajudar no processo de reconstrução da própria imagem. “Isso nós tivemos desde a infância. Procure pensar no primeiro emprego e sua capacidade para consegui-lo”, explica Fabiana. Para completar o exercício pense ainda nos benefícios que teve com as situações em que foi corajosa.Aplicar energia em uma nova ação ajuda a sair do marasmo

4. Enfrente pequenos novos desafios

Um novo esporte, estilo musical ou até apostar num curso de idiomas. Especialistas acreditam que ao aplicar energia em uma ação nova, você poderá ganhar visibilidade no ambiente de trabalho, aumentar a sociabilidade, e conquistar a autoconfiança. Acostume o corpo a agir mais rápido diante de pequenas atividades, aceite convites para tomar um café, por exemplo.

5. Mude o visual

Experimentar um novo corte de cabelo ou até uma nova cor pode provocar mudanças expressivas. Pontos a mais na autoestima vão agir diretamente na autoconfiança e relações interpessoais. Fabiana diz que, fazendo isso, a mulher pode se sentir encorajada. “Crie metas menores para ajudá-la a chegar ainda mais longe”. Aprenda: Mude de look todos os dias.

6. Se arrisque

Cada pessoa conhece o medo que precisa enfrentar. “Ir ao cinema sozinho pode ser um pesadelo para alguns. O importante é ter disciplina e lembrar que firmou um compromisso consigo”, orientaMeiry Kamia. Vale aproveitar cada oportunidade para fazer coisas diferentes, como escolher um novo prato no restaurante, falar com estranhos e até enfrentar uma viagem sozinha. Leia mais: 12 passos para criar coragem.

7. Faça novos amigos

Ainda dentro da proposta de expandir os círculos sociais, o próximo passo é enfrentar sozinha festas e eventos sociais. O começo pode ser assustador, mas leve cartões de visita na bolsa e distribua. “Uma oportunidade para adicionar novas pessoas no seu dia a dia e ouvir novos discursos”, conclui Fabiana. 

DISPONIVEL: http://www.midianews.com.br/conteudo.php?sid=7&cid=204096 

Veja também: